Translate

Nossos Profissionais


Adriana Lombardi (violoncelo)

Natural de São Paulo, Adriana Lombardi iniciou seus estudos no Conservatório de Tatuí sob a orientação do Professor Eduardo Bello. Em 2000 retornou a São Paulo, onde passou a ser aluna da Professora Gretchen Miller na Escola Municipal de Música. Em 2001 foi aceita no Instituto de Artes UNESP, onde graduou-se em 2004 sob a orientação do Professor Zigmunt Kubala e André Micheletti.

Atuou como solista com a Orquestra Sinfônica Jovem de São Paulo e com a Orquestra Jovem do Festival de Curitiba.

Em 2005, Adriana recebeu bolsa integral por quatro anos pela Lynn University (EUA), onde completou o curso de Mestrado e PPC (Professional Performance Certificate) sob a orientação do Professor David Cole. Durante esse período foi membro da Philharmonia Orchestra Lynn University (concertino), Ars Flores Symphony Orchestra (chefe de naipe) e Symphony of the Americas. Foi profesora de música de câmara e violoncelo na Dreyfoos School of the Arts e no Departamento Preparatório da Lynn University.

Mudou-se para Chicago em janeiro de 2010, onde se aperfeiçoou com o Professor Hans Jensen e foi aceita como membro associado da Civic Orchestra (Orquestra jovem associada à Chicago Symphony). Obteve o Teacher certificate para o Método Suzuki (livro 1), sob a orientação da Professora Tania Carey. Foi violoncelista do musical Evita.

Atualmente tem sido convidada para tocar com a OSUSP, Jazz Sinfônica entre outras. É professora do Instituto Baccarelli , Instituto Fukuda, EMESP e violoncelista da orquestra Sinfônica de Santo André.


Adriana Schincariol Vercellino (viola)
Formou-se no curso de viola pelo Conservatório de Tatuí com o professor Paulo Bosísio, complementando seus estudos nos principais cursos e festivais de música do País com nomes como: Horácio Schaffer, Michel Udhe, Meredith Snow, Beth Felice e Laura Wilcox.

Completou seu Bacharelado em viola na Faculdade Mozarteum de São Paulo no ano de 2007.

Tem atuado em quase todas as principais formações sinfônicas de São Paulo, destacando a Orquestra Sinfônica do Estado (de 1992 a 1997) e do Teatro Municipal de São Paulo (desde 1997 até os dias de hoje), além de exercer importante trabalho didático como professora nos cursos de violino e viola do Conservatório de Tatuí de 1989 a 1996.

Nos anos de 2004 e 2005 foi professora convidada do curso de viola do FEMÚSICA Festival de Inverno de Campos RJ onde recebeu o Prêmio Lorenzo Fernandes como professora destaque. Nos anos de 2006, 2007, 2008 e 2009 foi Coordenadora de Música de Câmara do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão.

Atualmente exerce intensa atividade didática no projeto Instituto Bacarelli , na FASM - Faculdades Santa Marcelina, UNI-FIAM FAAM como professora da classe de viola. Foi recentemente convidada para integrar a equipe de coordenação pedagógica da EMESP (Escola de Música do Estado de São Paulo) - Centro Tom Jobim.

Alexandre Razera (viola)

Natural de Piracicaba, iniciou seus estudos musicais aos nove anos de idade. Optou primeiramente pelo violino e teve como professora Celisa Amaral Frias. Aos 15 anos passou a estudar viola com a mesma professora.

Em 1995 ingressou na Universidade de São Paulo, no curso de bacharelado em Música, orientado por Marcelo Jaffé. Paralelamente foi aluno de Elisa Fukuda no período de 1994 a 1997.

Foi primeiro violista da Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo (OSUSP), onde permaneceu até 1997, ano em que ganhou uma bolsa de estudos da Fundação Vitae para cursar a academia da Orquestra Filarmônica de Berlim (Karajan Stiftung).

Em 2001, a convite do professor Ulrich Knörzer, ingressou na Universidade de Artes de Berlim. Nesta temporada em Berlim que se estendeu até 2005, envolveu-se em projetos de música de câmera, como o Milan Quartet e o Ensemble du Monde, foi músico convidado da Filarmônica de Berlim, Orquestra do Festival de Lucerna, Deutsche Oper Berlim Mahler Chamber Orchestra e Rundfunk-Sinfonieorchester Berlim.

Atualmente radicado no Brasil, além de desenvolver intensa atividade camerística e solística pelo país todo, Europa e Japão, atua como primeiro violista convidado da OSESP, integra o trio de cordas Compass Trio (com a violinista Sarah Nemtanu e o violoncelista Chistophe Morin, de Paris) e ministra aulas no instituto Baccarelli, em São Paulo.

Alexandre Rosa (contrabaixo)

Membro da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) desde 1993, Alexandre já teve oportunidade de tocar com esta orquestra em salas de música como o Carnegie Hall, Lincoln Center (Nova York), Musikverein (Viena), Concertgebouw (Amsterdã), Chatelet (Paris) e Colon (Buenos Aires).

É professor de contrabaixo no Instituto Baccarelli onde trabalha desde a iniciação até o avançado. Com sua orquestra de câmara Engenho Barroco, já fez várias gravações de música colonial brasileira. Suas pesquisas sobre técnicas estendidas e colaborações com compositores resultaram no CD BASS XXI, com música contemporânea brasileira para contrabaixo.

Atualmente está trabalhando em seu doutorado em performance no Instituto de Artes da Universidade do Estado de São Paulo.

André Sanches (violino)

Estudou violino com Amílcar Carfi, Marcelo Guersfeld, Cecília Guida, Paulo Bosisio e Alberto Jaffe. Em 1990 ingressou na UNICAMP no curso de bacharelado em violino na classe de Nathan Shuwartzman. Participou de inúmeros cursos nacionais e internacionais onde se especializou com mestres como Chain Thaub, Robert McDuffie e Nicholas Chumachenco, este último como bolsista da fundação Vitae.

Membro do quarteto Darcos desde a sua fundação, gravou o CD Carlos Gomes Ano Cem e se apresentou em diversos festivais como o de inverno de Campos do Jordão e em tournée por todo o Brasil, Argentina, México e Eua.

Atuou por dois anos como instrutor de cordas da camerata acadêmica do Mercosul, com sede na Argentina, e faz parte do corpo docente da orquestra sinfônica jovem do Mercosul.

Participou como músico convidado da OSESP e com ela realizou a primeira turnê realizada por uma orquestra brasileira nos EUA, participando também da gravação das Bachianas de Villa Lobos e de uma sinfonia de Camargo Guarnieri. É violinista da orquestra de Câmara Villa Lobos e Orquestra Bachianas, sob direção de João Carlos Martins. Atua como Membro do Quinteto Brasileiro de Cordas.

Desde 2000 participa como instrutor no festival Música nas montanhas em Poços de Caldas. É professor de violino, viola e Regente da orquestra escola do projeto Orquestra do Amanhã do Instituto Baccarelli, em São Paulo.

André Micheletti (violoncelo)

Natural de Piracicaba, André Micheletti é professor de violoncelo na Unicamp, da Faculdade Cantareira, e do Instituto Baccarelli. Coordenador pedagógico do projeto de ensino musical na cidade de Paulínia (Cidadão Musical) e do Instituto Fukuda.  Está na fase final de seu doutorado na Indiana University, como bolsista da CAPES-Fulbright, em Violoncelo e Violoncelo Barroco, sob orientação de Helga Winold, Nigel North e Stanley Ritchie, tendo aulas particulares e masterclasses com Janos Starker.

Mestre em Violoncelo e Pedagogia do violoncelo pela Northwestern University, em Chicago, sob orientação de Hans Jörgen Jensen e Bacharel em violoncelo pela Unicamp, sob orientação de Antonio Lauro del Claro.

Foi concertino da Columbus Indiana Philharmonic Orchestra, concertino da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo e primeiro violoncelo da Camerata Fukuda e da Orquestra de Câmera da Unesp. Atuou ainda junto a Orquestra Experimental de Repertório e Jazz Sinfônica.

Primeiro colocado e melhor intérprete de Música Brasileira nos Concursos Estímulo aos Jovens Solistas do Brasil e no Concurso Jovens Instrumentistas do Brasil, além de vencedor do Concurso Jovens Solistas da Orquestra Experimental de Repertório.

Em 2009 foi vencedor do Concurso de Música da Espanha e América Latina, promovido pela Embaixada da Espanha nos Estados Unidos e pelo Centro de Música Latino-Americana da Indiana University.

André é violoncelista do Trio Micheletti, do Trio Mahle e mantém duo de violoncelo e piano com Gabriella Affonso.


Andrea Campos (violino)

Nascida em Santarém, Pará, Andréa Campos iniciou seus estudos de violino na Escola de Música de Brasília, aos 10 anos de idade. Concluiu o segundo grau nos Estados Unidos, na Interlochen Arts Academy (1987), bacharelou-se pela Western Michigan University (1991), obteve o grau de Mestre pela Eastman School of Music (1993) e recebeu o Artist Diploma da Carnegie Mellon University (1997), sob orientação de Andrés Cardenes, sendo a primeira candidata aprovada para cursar esse programa, em que utilizou, durante dois anos, o violino Stradivarius do acervo da instituição.

Recitalista e solista no Brasil e no estrangeiro, seu repertório inclui apresentações com orquestras e como co-solista de Andrés Cárdenes. Atuou como spalla em exibições no Lincoln Center e no Carnegie Hall (New York), no Kennedy Center (Washington, D.C.) e no Boston Symphony Hall, além de liderar a Heidelberg Schlossfestspiele Orchester, na Alemanha. Foi concertino na Youngstown Symphony (Ohio) e integrou as Sinfônicas de Kalamazoo e Battle Creek (Michigan), a Erie Philarmonic (Pennsylvania), a New World Symphony (Florida) e a Rochester Philharmonic (New York).

Participou de festivais e cursos intensivos para instrumentos de corda, como o Encore School for Strings (Ohio), e se apresentou em masterclasses para Pinchas Zukerman, Shmuel Ashkenasi, Yair Kless e para o Tokyo String Quartet.

Coleciona variadas premiações, de melhor intérprete de música Brasileira (Piracicaba, São Paulo) a vencedora dos concursos Julius Stulburg Scholarship Chair, Kalamazoo Symphony Honor String Quartet e Concerto Competition, realizados pela Western Michigan University.

Colocação atual: spalla da Bachiana Filarmônica Sesi, chefe de naipe dos segundos violinos da “Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo” e da “Camerata Brasiliana”. Integrante do Quarteto “Vienarte” e Trio “D’Amore”. Leciona violino na Emesp (Escola de Música do Estado de São Paulo) e no Instituto Baccarelli.

Carlos Sulpício (trompete)

Natural de Marília-SP. Doutor em música pela UNESP, Mestre em Brass Performance pela Boston Universisity, School for the Arts, Bacharel em trompete pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

Teve como principais professores, Roger Voisin, Tim Morrison, Sérgio Cascapêra e Paul Mitchell. Integrou diversas formações musicais nos Estados Unidos, entre elas Civic Symphony of Boston, Lexington Sinfonieta, Boston University Symphony Orchestra e ALEA III.  No Brasil, Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo, Amazonas Filarmônica, Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo e Bachiana Filarmônica.

Participou do 1º Festival Internacional de Música em Kyoto no Japão em 1993. Já atuou como solista com a Orquestra Sinfônica da USP, Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo, Amazonas Filarmônica, Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto e Orquestra Acadêmica da UNESP.  Realizou inúmeras premières de compositores Brasileiros, incluindo a gravação do CD do Grupo Novo Horizonte o qual recebeu o prêmio da APCA de 1993.

Foi professor da UNESP e na pós-graduação da Faculdade Carlos Gomes, entre 1999 e 2001.

Participou como maestro assistente e trompetista dos musicais LES MISERABLES e A BELA E A FERA.

Atualmente é professor da Faculdade Santa Marcelina, da Escola Municipal de Música de São Paulo e do Instituto Baccarelli. Desenvolve também trabalho de música de câmara com o IN TEMPORI DUO, duo de trompete e percussão com Eliana Guglielmetti Sulpício.

Cláudio Michelleti (violino)

Formado em 2004 na Liszt Ferenc Academy of Music em Budapeste(Hungria), estudou sob orientação da professora Eszter Perenyi.

É ganhador dos Concursos Jovens Solistas da OSESP (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo) e Jovens Solistas da Orquestra Experimental de Repertório por três anos consecutivos.

É detentor do II Premio do X Concurso Eldorado de Música Erudita-1999. Foi membro fundador do Quarteto Camargo Guarnieri.

Atuou como solista diante das Orquestras OSESP, Camerata Fukuda, Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo (OSM), Orquestra Experimental de Repertório, Orquestra Sinfônica de Campinas, Orquestra Sinfônica do Estado de Minas Gerais, entre outras.

Em 2011 foi solista no Avery Fisher Hall Lincoln Center em New York. Atualmente é spalla da Orquestra Experimental de Repertório(OER), spalla da Orquestra Bachiana  Filarmônica e spalla da Orquestra Sinfônica da USP (OSUSP). Desde 2008 é professor de violino na Faculdade Cantareira e desde 2009 ministra aulas no Instituto Baccarelli.

Claudio Stephan (percussão)

Paulistano de nascimento, estudou piano, teoria, solfejo, fraseologia e contraponto no Curso de Música Sofia Mello Oliveira. Recebeu orientação de percussão pelo conhecido Professor Ernesto de Lucca, e de trompa com o Professor Enzo Pedini.

Como músico profissional, começou ainda muito jovem sua carreira como trompista da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo. Motivos de saúde levaram-no a continuar a sua carreira musical como percussionista. Em pouco tempo assumiu o cargo de timpanista titular da OSMSP, de onde recentemente se aposentou.

Possui os títulos de "Professor de Orquestra" pela Ordem dos Músicos do Brasil, pela já extinta Orquestra Filarmônica de São Paulo e pelas Orquestras Sinfônicas Estadual (pianista, percussionista e timpanista – de 1965 a 1975) e Municipal de São Paulo (1968 a 1998).

Desde 1963 tem participado de gravações para rádios, TVs e LPs, destacando-se pela perfeição técnica, sua participação no grupo "Musikantiga", como percussionista e executante de sakbut (trombone antigo).
Seus dotes musicais fizeram-no por duas vezes merecedor do troféu "Músico do Ano", concedido pela Ordem dos Músicos do Brasil. Cursou regência com o Maestro argentino Simon Blech, e por sua grande capacidade de liderança musical, à frente do Grupo de Percussão do Conservatório Brooklin Paulista, recebeu, em 1975, o prêmio "Maestro Revelação do Ano" da Associação Paulista dos Críticos de Arte. Foi ainda regente do grupo de Metais da OSMSP e da Fanfarra dos Santos Anjos.

Cláudio Stephan foi fundador e presidente do "Grupo de pesquisas musicais de São Paulo". Possui diversos trabalhos publicados, entre os quais "Percussão – visão de um brasileiro" onde resume o ensino que há anos vem propiciando , lançando uma visão técnica abrangente e um vocabulário próprio.

Atualmente se dedica aos alunos do Instituto Baccarelli e Colégio "Arautos do Evangelho" Thabor.

Eduardo Bello (violoncelo)

Natural de Petrópolis/R.J, iniciou os estudos musicais aos 10 anos no Instituto dos Meninos Cantores - "Canarinhos de Petrópolis" -, onde, por mais de 12 anos, participou de concertos, gravações e excursões artísticas nacionais e internacionais.

No violoncelo, seus principais mestres foram Henrique Drach, Atelisa Sales, Alceu Reis e Gretchen Miller. Participou de masterclasses internacionais com Peter Rejto, Antônio Meneses, Yo-Yo Ma, Dennis Parker, Peter Wispelwey.

Bacharel em violoncelo, foi laureado com o 1º lugar no III Concurso Nacional da Academia Nacional de Música/R.J; I Concurso de Música de Câmara “Magdalena Tagliaferro” /SP; Concurso "Cidade de Araçatuba"; e nos concursos públicos: Orquestra Sinfônica de Campinas e OSUSP.

Com pós-graduação em Gestão Educacional pela PUC-Campinas leciona, nos principais festivais de música. Ministrou aulas no Conservatório de Tatuí, Escola de Música de Piracicaba “Ernst Mahle” e EMESP. É freqüente a sua participação como membro de bancas de concursos públicos.

Iniciou os estudos de regência há três anos, participando de masterclasses com os maestros Nicolas Pasquet (Uruguai), Osvaldo Ferreira (Portugal), Roberto Tibiriçá e Celso Antunes (Brasil).

Representando o Instituto Baccarelli, participou do “1º Encontro Internacional de Professores de Orquestras”, na Venezuela, promovido pela Fundación Musical Simon Bolívar.

Foi regente fundador da Orquestra Jovem de Paulínia/SP e regente das orquestras acadêmicas durante o II e III Festival Internacional de Música de Piracicaba.

Atualmente é Coordenador Pedagógico, Regente e Professor do Instituto Baccarelli e violoncelista da OSUSP.

Joel Gisiger (oboé)

Primeiro oboé solista da Osesp, desde 1988, Orquestra com a qual teve a possibilidade de se apresentar nas principais salas de concertos do mundo.

Apresentou-se como solista em diversas Orquestras e ministrou aulas nos principais festivais de musica do País.
Desenvolve trabalhos camerístico com seus colegas de Orquestra, especialmente com  Quinteto de Sopros. Tem desenvolvido intensa atividade como professor ministrando aulas na Escola Municipal de Musica e Instituto Baccarelli.
Márcio Galvão (violino)

Iniciou seus estudos de violino aos 12 anos de idade. Estudou na Escola Municipal de Música de São Paulo e aperfeiçoou-se com o violinista e professor, Ayrton Pinto. Participou do XXIV, XXV e XXVI Festival Internacional Suzuki de Música - Lima/Peru, como também, da 1a e 2a edição da Semana de Capacitação de Professores Suzuki organizada pela Associação Musical Suzuki de São Paulo (AMSSP).

Teve aulas de Metodologia e Filosofia Suzuki com os seguintes especialistas: Shinobu Saito (Brasil), Caroline Fraser (EUA), Nancy Lokken (EUA), Ann Montzka-Smelser (EUA) e Edward Kreitman (EUA).

Desde 2002 trabalha com ensino coletivo de cordas, buscando desenvolver habilidades musicais através de um ambiente de aprendizagem positivo e estimulante.

Atualmente é coordenador do curso de cordas friccionadas da Associação Amigos do Projeto Guri (AAPG), professor de violino do Instituto Baccarelli, membro e professor certificado pela Suzuki Association of the Americas (SAA).

Marco Delestre (contrabaixo)

Iniciou seus estudos de música aos seis anos com o violino e piano. Aos 15, começou a estudar o contrabaixo com seu pai, Marco Antônio da Silva Delestre.

No ano 2000 cursou o bacharelado (UNIRIO) no primeiro semestre com o professor Antônio Arzolla e, em setembro do mesmo ano, foi admitido na The Juilliard School, onde se graduou na classe do professor Eugene Levinson com nota máxima, em maio de 2005.

Em suas atividades docentes ministra aulas de contrabaixo acústico no Instituto Baccarelli e particulares. Participou também como professor convidado em masterclasses no projeto “Do Aço ao Clássico” de Volta Redonda, Encontro Internacional de Cordas do Conservatório de Tatuí e Festival de Cordas da Fundação Carlos Gomes Belém/PA.

Como camerista, já foi integrante da Camerata Solos - UFF, Orquestra Bachiana Brasileira (RJ), Rio Strings, Orquestra de Câmara do Mercosul, Quinteto Ipiranga, Quinteto Itinerante (OSESP) e apresentou-se em colaboração junto ao Quarteto Camargo Guarnieri.

Em sua atividade como solista, Marco Delestre apresentou-se com os maestros Carlos Moreno, Ernst Mahle e Antônio Del Claro frente a OSB Jovem,  OFPEM  e Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo, além de recitais no Brasil e nos EUA. Entre seus prêmios destacam-se o primeiro lugar no Concurso Jovem Solistas de Piracicaba, primeiro lugar no Concurso Nacional de Cordas Paulo Bosísio e finalista no The Juilliard School Concerto Competition.

No Rio de Janeiro atuou na Orquestra Sinfônica Brasileira e com a Orquestra Sinfônica Petrobrás Pro-Música. Em Nova Iorque foi primeiro contrabaixo da Hunter College Symphony e membro da Juilliard Symphony e Juilliard Orchestra onde regularmente se apresentou no Alice Tuly Hall, Avery Fischer Hall, Carnegie Hall e Juilliard Theater. Atualmente Marco Delestre ocupa o cargo de solista B do naipe de contrabaixos da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

Mário Rocha (trompa)

Iniciou seus estudos aos oito anos de idade com seu pai. Em Tatuí sua cidade natal. Estudou ainda com José Coelho de Almeida, Enzo Pedini, Daniel Havens e Charles Cornish.

Cursou o Conservatório Dramático e Musical "Dr. Carlos de Campos" de Tatuí e Escola Municipal de Música de São Paulo. Bacharel em Trompa pela Faculdade Mozarteum de São Paulo.

Foi, por 12 anos, trompista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, sob a regência do renomado maestro Eleazar de Carvalho. Foi também trompista da Orquestra Filarmônica de São Paulo e da Orquestra Sinfonica Municipal de São Paulo onde atuou como 1ª trompa por 30 anos.

Atualmente é o 1º trompista da Orquestra Sinfônica Municipal de Santo André. Desenvolve intenso trabalho camerístico atuando em quarteto e quinteto de sopros e de metais. Foi professor do Festival de Campos do Jordão 91; 92 e 97. Sendo que em 91 atuou como solista tocando o Concerto nº 4 de Mozart para trompa e orquestra. Foi professor ainda do Festival de Verão de Brasília em 93 e 96. e também do Festival de Música Nova de Belo Horizonte; e ainda do 1º Encontro de Bandas Musicais de São João da Boa Vista em 94. Gravou um discos um como solista e outro com Quinteto de Sopros.

É professor de trompa no Instituto Baccarelli.

Paola Baron (harpa)

Membro da Orquestra Sinfônica de São Paulo - OSESP (Brasil), ja foi Harpista Principal no Teatro Ópera e Ballet em Liubliana (Eslovênia). Formou-se com Patrizia Tassini no Conservatório J. Tomadini em Udine, com a nota máxima, e com Sarah O’Brien na Universidade Mozarteum em Salzburg, com louvor.

Frequentou o curso de pós-aperfeiçoamento no Conservatoire National Supérior de Musique em Lyon, França, com Fabrice Pierre.

Acompanhou masterclasses dadas por Cristina Bianchi (Orquestra Sinfônica da Rádio Bávara) e frequentou a Accademia per Professori d’Orchestra do Teatro alla Scala.

Colaborou, também como Harpista Principal, com a Orquestra Fondazione Arturo Toscanini (dir. Lorin Maazel), Orchester der Tiroler Festspiele (dir. Gustav Kuhn), Birmingham Royal Ballet, Orchestra Sinfônica del Friuli- Venezia Giulia, Slovenska Filharmonija Orchestra, RTV Slovenija Orchestra, HNK Ivana pl. Zajca em Rijeka, SNG e Simfonicni Filharmonija Orchestra em Maribor.

Atuou em concertos como solista, com conjuntos de câmara (participando do IV Simpósio Europeu de Harpa), e como solista com orquestras na Itália e no exterior (França, Alemanha, Austria, EUA, Eslovênia, Croácia).

Participou em concursos nacionais e internacionais: Concurso Internacional de Harpa dos E.U.A., Concurso Nacional F. Schubert (Primeiro Prêmio), Concurso Internacional “Città di Tortona” (Terceiro Prêmio), X Concurso Nacional da Società Umanitaria di Milano (Primeiro Prêmio); em maio de 2002 ganhou o Segundo Prêmio no “V. Salvi”, o mais prestigioso Concurso de Harpa da Itália; em novembro de 2003 ganhou bolsa como finalista do Concurso Internacional “V. Bucchi” em Roma; em maio de 2005 ganhou o Segundo Prêmio no Concurso de Harpa Alemão dado pelo Círculo Cultural de Economistas Alemães (Kulturkreis der deutschen Wirtschaft) na Confederação da Indústria Alemã (BDI); em junho de 2007 ganhou o Primeiro Prêmio no Concurso Internacional da Associação Eslovena de Harpa. Realizou gravações para Sarx Records das peças compostas por Noel-Gallon e J. Guridi.

Desde 2012 é professora de harpa na EMESP-Escola de Musica do Estado de São Paulo e no Instituto Baccarelli, em São Paulo.



Pedro Della Rolle


Iniciou seus estudos de violino no Conservatório de Tatuí com o maestro Dario Sotelo, posteriormente, ingressa na classe do prestigiado pedagogo e renomado violinista Paulo Bosisio, com o qual estudou por mais de dez anos.

Graduou-se pela Trinity College of London em Performance Violinística e Mestre pela Universidade de São Paulo. Venceu alguns concursos destacando-se em 1º lugar no VII Concurso Nacional de Violino de Juiz de Fora com “louvor” e no III Concurso Nacional de Violino IBEU, melhor interprete de música norte-americana e o prêmio “Paulo Bosisio”, criado na ocasião onde foi contemplado com um arco Albert Nürnberger.

Participou de máster classes com Paulo Bosísio (Brasil), Chaim Taub (Israel), Theodora Geraets (Holanda), Ole Bohn (Noruega), Eric Friedman (E.U.A), Sydney Harthy (E.U.A), Cláudio Cruz (Brasil), Shlomo Mintz (Israel), entre outros.

Na condição de Spalla, atuou nas seguintes orquestras: Orquestra Sinfônica Paulista, Orquestra de Cordas de Tatuí, Orquestra Municipal de Campinas, Camerata Antiqua de Curitiba, Companhia de Ópera e Orquestra Sinfônica de Vitória (ES).

Como Concertista, apresentou-se com a Orquestra Jovem de Tatuí, Orquestra Paulista, Orquestra Municipal de Campinas e Camerata Antiqua de Curitiba.

Atualmente é violinista da OSUSP, professor do Instituto Baccarelli, da EMESP (Escola Municipal de Música do Estado de São Paulo), e CDMCC de Tatuí. Ganhou elogios do grande Mestre Paulo Bosisio: "Della Rolle Possui um talento especial, uma apuradíssima técnica e um som de absoluta e inquestionável beleza."



Renato Bandel (viola)

Nascido em Piracicaba-SP, iniciou seus estudos de música aos seis anos de idade, com sua mãe. Estudou com Maria Lúcia Krug, Celisa Frias, Ed Walson Marafon, Yoshitame Fukuda, Elisa Fukuda, Marcelo Jaffé, Paulo Bosisio, Neithard Resa e Hartmut Rohde.

Aos 20 anos recebeu uma bolsa para estudar na Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim. Realizou concertos com a orquestra sob regência de Claudio Abbado, Daniel Barenboim, Seiji Ozawa, Günter Wand, Zubin Mehta, Bernard Haitink, Simon Rattle, Nikolaus Harnoncourt entre outros, em várias cidades europeias. Com esta orquestra, realizou diversas gravações de CDs e DVD.

Em 2000 graduou-se na Universidade de Artes de Berlim. Recebeu o “Prêmio Carlos Gomes - Melhor Conjunto de Câmara” em 2006, como integrante do Quarteto Camargo Guarnieri.

Durante sua estadia de sete anos em Berlim integrou a “Ensemble Oriol Berlin”, realizando concertos na Alemanha, México, Portugal, com renomados solistas internacionais. Atuou também como músico convidado na Orquestra Gulbenkian (Lisboa / Portugal).

Coordena a EMESP – Escola de Música do Estado de São Paulo e o Instituto Baccarelli, onde também atua como professor.

Rogério Wolf (flauta)

Após mais de 25 anos como primeira flauta das melhores orquestras do país, como Sinfônica do Estado de São Paulo-OSESP (1981-2001) e Sinfônica Brasileira-OSB (2003-2006), atualmente dedica-se a concertos como solista e camerista e é presidente da Associação Brasileira de Flautistas-ABRAF, professor na Escola Superior de Música da Faculdade Cantareira - SP, Escola Municipal de Música de São Paulo e no Instituto Baccarelli. Em novembro de 2007 esteve na Suíça, onde deu aulas nos Conservatórios de Genebra e La Chaux-de-Fonds.

É integrante do Núcleo Hespérides - Música das Américas.

Em dezembro de 2006 participou do Festival Virtuose em Recife, PE onde teve oportunidade de participar em concerto com Antonio Meneses, tocando a peça Assobio a Jato de Villa Lobos. Em 2000 participou da Convenção da Associação Americana de Flauta em Columbus, OH - EUA, em dois concertos, onde tocou a primeira audição norte-americana do concerto para duas flautas e cordas de Ernst Widmer.

Empenhado na divulgação internacional de obras de compositores brasileiros em dezembro de 1999 realizou com grande sucesso uma turnê ao lado do pianista Fernando Tomimura em cidades da Alemanha, Finlândia e Rússia.

Já atuou como solista nas principais orquestras do Brasil, entre elas Sinfônica do Estado de São Paulo, Sinfônica de Porto Alegre, USP e Ribeirão Preto, Orquestra Sinfônica de Campinas e também com a Orquestra Sinfônica de Santos.


Ricardo Takashi

Iniciou seus estudos de violino aos 5 cinco anos de idade com o professor Tosio Takeda, aperfeiçoando-se na Universidade Livre de Música e posteriormente com o professor Ayrton Pinto na Universidade Estadual de São Paulo, UNESP.

Participou de diversos masterclasses com os violinistas Viktor Danchenko (1° lugar no Concurso Ysaye), Jerrold Rubenstein (Prof. Conservatório Real de Antuérpia), Glenn Dicterow (spalla da New York Philharmonic), Ole Bohn entre outros. Na Alemanha obteve aperfeiçoamento com o professor Ilan Gronnish.

Integrou a Orquestra Experimental de Repertório na qual foi finalista do concurso, Jovens Solistas. Vencedor do concurso da World Jeunesse Musicalis obtendo uma das três vagas destinada a América Latina.

Atualmente integra a Orquestra Bachianas Sesi SP ocupando também o cargo de chefe de naipe e a Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo desde 94, tendo atuado por diversas vezes como solista.
De 2009 a 2011 se apresentou junto a Orquestra Bachianas Sesi Sp no Lincoln Center em NY, sendo que na última ocasião atuou como solista no Broward Center (Fortlauderdale) e Avery Fisher Hall (New York).
Atua no Quarteto Camargo Guarnieri desde 2008, realizando em 2009 a gravação do quarteto de Borodin e a integral dos quartetos de cordas de Camargo Guarnieri.

Atua também como violinista do Neymar Quarteto, tendo gravado em 2009 o CD “Intervalo” selecionado pelo PAC- Programa de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura a realizar a produção e gravação de disco inédito.

Foi professor do Conservatório do Brooklin em 1996 e desde então vem se dedicando à atividade didática. Foi professor convidado da Instituição Magda Tagliaferro junto ao programa de bolsa de estudos para aperfeiçoamento de jovens talentos e atualmente leciona na Escola Municipal de Música, Instituto Fukuda e no Instituto Baccarelli.

Ronaldo Pacheco (fagote)

Natural de Belém do Pará, estudou com Afonso Venturieri. Iniciou sua graduação na Unicamp sob orientação de Paulo Justi, graduando-se na Faculdade Carlos Gomes (SP). Venceu os concursos Jovens Solistas de Piracicaba e Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

Iniciou sua carreira profissional aos 16 anos como fagotista da Orquestra Sinfônica de Campinas e atualmente ocupa o cargo de primeiro fagote das Orquestras do Theatro Municipal de São Paulo e Sinfônica de Santo André.

Foi solista frente à Orquestra Sinfônica Jovem Eleazar de Carvalho, Orquestra Acordes Pão de Açúcar e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo, tendo como regentes Konstantin Becker e Leon Spierer. Excursionou durante nove meses com a montagem de A História do Soldado, de Igo Stravinsky, sob regência de Flavio Florence.

É frequentemente convidado a participar das mais importantes orquestras brasileiras, apresentando-se com os maestros Isaac Karabtchevsky, Diogo Pacheco, Jamil Maluf, Roberto Tibiriçá e Ligia Amadio, entre outros.

Integra o quinteto de sopros Conclave, em atividade desde 1987, com o qual já realizou turnês pelo Brasil e Alemanha.

Na área pedagógica, lecionou nos festivais de Campos do Jordão e Poços de Caldas. É professor do Instituto Baccarelli.



Um comentário:

  1. Meu Sonho e de um dia me Profissionalizar em Violoncelo .. mas onde moro ... não tenho Oportunidade....

    ResponderExcluir